Publicado em Deixe um comentário

Queijos e Iogurtes, ricas fontes em cálcio

Cada pote de Yorgus contribui com 12% das necessidades diárias de cálcio.

Se alimentar de forma correta é um assunto que interessa a muitas pessoas. Muitos se perguntam como obter dos alimentos todos os nutrientes necessários em quantidades adequadas. Para as gestantes, atletas, idosos, adolescentes e crianças há um nutriente de extrema importância, o cálcio. É dele que vamos tratar nesse artigo.

O cálcio é o principal mineral que atua na formação da massa óssea e sua baixa ingestão está associada à osteoporose e a perda de massa muscular. A relação entre cálcio e atividade física tem sido muito estudada pelo fato de este mineral estar relacionado não apenas a saúde como também a performance nos esportes.

Cada pote de Yorgus contribui com 12% das necessidades diárias de cálcio.
Cada pote de Yorgus contribui com 12% das necessidades diárias de cálcio.

Qual a sua necessidade diária de cálcio?

A recomendação de ingestão diária de cálcio varia de acordo com a idade e sexo. Também poderá sofrer alterações de acordo com a intensidade e frequência de treinamento no caso dos atletas. Para atletas e praticantes de atividade física de alta intensidade é fundamental incluir alimentos fonte de cálcio em sua alimentação, em quantidades recomendadas por um nutricionista.

Ingestão diária de cálcio recomendada (mg/dia) por faixa etária

Quais são as melhores fontes de cálcio?

O leite e seus derivados, vegetais verdes como espinafre, couve, rúcula e brócolis. Também é encontrado na soja, grão de bico, chia e gergelim. Destes alimentos os mais significativos, ou seja, que possuem maior concentração de cálcio, são os lácteos.

Conteúdo em cálcio (Ca) em produtos Lacteos da Serra do Tucano

O leite de ovelha é excelente fonte de cálcio, superior ao leite de vaca, o que faz com que todos os seus derivados sejam uma ótima opção para serem consumidos diariamente, como parte de uma dieta equilibrada.

O leite e queijos de cabra, assim como iogurtes e queijos feitos com leite de vaca também são boas fontes de cálcio e proteínas.

Publicado em Deixe um comentário
Publicado em Deixe um comentário

O Queijo é Bom para sua Saúde?

Estudo realizado sobre hábitos alimentares de 136.384 indivíduos em 21 países, conclui que comer queijo reduz o índice de mortalidade e problemas cardiovasculares

As atuais recomendações nutricionais sugerem, por precaução, restringir o consumo de produtos lácteos com alto teor de gorduras saturadas, como os queijos. Entretanto, uma equipe de cientistas do Health Research Institute, da universidade McMaster de Ontario (Canada) publicaram no último 11 de setembro um artigo que prova o contrário.

Estudo realizado sobre hábitos alimentares de 136.384 indivíduos em 21 países, conclui que comer queijo reduz o índice de mortalidade e problemas cardiovasculares.
Estudo realizado sobre hábitos alimentares de 136.384 indivíduos em 21 países, conclui que comer queijo reduz o índice de mortalidade e problemas cardiovasculares

Depois de estudar durante 9 anos os hábitos alimentares de mais de 136.000 pessoas em cinco continentes e 21 países diferentes concluíram que um maior consumo de produtos lácteos de alto teor de lipídeos (mais de 2 porções ao dia) está associado a um menor risco de mortalidade ou problemas cardiovasculares.

Concretamente, o artigo mostra que os produtos lácteos com alto teor de lipídeos podem reduzir o índice de mortalidade por enfermidades cardíacas em mais de 25%, e por paradas e ataques cardíacos em 22% e 34%, respectivamente.

O Queijo é Bom para sua Saúde? 1

Resumindo, aqueles indivíduos que consomem mais de duas porções desses produtos lácteos, tem menores índices de problemas cardiovasculares e mortalidade que aqueles que consomem uma menor quantidade.

“Nossas descobertas confirmam que o consumo de produtos lácteos poderia ser benéfico evitando a mortalidade e as doenças cardiovasculares, especialmente em países mais pobres onde o consumo desses produtos é muito menos que na América do Norte e na Europa.,” disse o principal autor do estudo, Mahshid Dehghan, da universidade de McMaster, em Hamilton, Canadá.

Publicado em Deixe um comentário